Dilma Bolada recebeu R$ 200 mil em dinheiro vivo de Santana

Dilma Bolada recebeu R$ 200 mil em dinheiro vivo de Santana

Em meio à guerra nas redes sociais durante a campanha presidencial de 2014, vencida pela ex-presidente Dilma Rousseff, a página “Dilma Bolada” no Facebook era uma das armas mais poderosas do lado petista das trincheiras virtuais. Tanto era assim que o bunker da campanha de Dilma se ressentiu quando a página, com 1,4 milhão de seguidores à época, foi desativada por seu criador, o publicitário Jefferson Monteiro, e se esforçou (com sucesso) a demovê-lo da deserção.

“Pra todos que estão perguntando: tirei a Dilma Bolada do ar, OK? Sem drama e sem mimimi”, anunciou Monteiro em tom de mistério, no dia 23 de julho de 2014, atesta o msn.

Em sua delação premiada, a mulher do marqueteiro João Santana, Mônica Moura, revela a principal motivação da mudança de ideia de Monteiro e como suas postagens sagazes e bem humoradas para dali em diante foram financiadas: 200.000 reais em dinheiro vivo, retirados do caixa dois recebido pelo casal de marqueteiros.

“Em reunião no comitê central da campanha em Brasília, Edinho Silva relatou a Mônica que Dilma Rousseff estava furiosa pela retirada da página Dilma Bolada do ar, e que esse problema teria que ser imediatamente resolvido pela Polis, pois eles não tinham outro meio de sanar o problema com a urgência necessária”, diz o acordo de Mônica Moura firmado com a Procuradoria-Geral da República e divulgado nesta quinta-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Ao saber da fúria da então presidente, Mônica Moura diz ter ligado a Jefferson Monteiro e combinado com o publicitário que um funcionário dela o procuraria para “resolver o assunto”.

“Então, Monica Moura utilizou parte dos pagamentos que recebia por fora em espécie (propina) e realizou pagamento de 200.000 reais ao publicitário em espécie, que reativou a página no dia 29 de julho do mesmo ano”, relatou.

Após a volta do soldado pródigo ao front dilmista (veja o tuíte abaixo), Mônica relatou aos investigadores ter comentado com Edinho Silva, hoje prefeito de Araraquara (SP), “que estava fazendo isso como um ato de boa vontade pois o contrato da Polis não previa este tipo de responsabilidade”.

De acordo com a mulher de João Santana, o funcionário responsável por negociar o pagamento e entrega-lo a Jefferson Monteiro também vai aderir a um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal.

11/05/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *