Fachin remete à Justiça do Rio citações a Garotinho em delações da Odebrecht

Ministro analisou pedidos de abertura de inquérito enviados pela PGR. Segundo delatores, Garotinho recebeu caixa 2 em 2014; ex-governador cobrou que ex-executivos apresentem provas.

O ministro Luiz Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou à Justiça do Rio de Janeiro as citações ao ex-governador do estado Anthony Garotinho feitas por delatores da Odebrecht. Caberá à primeira instância da Justiça decidir se abre inquérito para investigar os fatos.

Fachin analisou 83 pedidos de abertura de inquérito enviados ao STF pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, conhecidos como a “lista do Janot”.

Ao analisar esses pedidos, o relator da Lava Jato autorizou a abertura de 76 inquéritos para investigar oito ministros do governo Michel Temer; 24 senadores; 39 deputados; e 3 governadores.

O caso Garotinho

Ao prestar depoimentos nos acordos de delação premiada, os ex-executivos da empreiteira Odebrecht Benedicto Barbosa da Silva Júnior e Leandro de Andrade Azevedo afirmaram que Anthony Garotinho recebeu dinheiro de caixa dois da empresa para a campanha dele ao governo do estado em 2014.

Segundo Leandro Azevedo, Garotinho e a mulher dele, Rosinha, receberam R$ 9,5 milhões em três eleiçõe.

O delator disse, ainda, que mantinha relação próxima ao ex-governador do Rio e que, por isso, tratava das negociações sem burocracia. “Presenciei, algumas vezes, Garotinho telefonando para os secretários da Fazenda do Município durante a gestão de Rosinha em Campos (…) e pedindo que tivéssemos preferência na regularização dos pagamentos em atraso”, diz trecho da delação.

Ainda de acordo com esses delatores, a mulher de Garotinho, Rosinha Garotinho, também recebeu recursos de caixa dois para as campanhas à Prefeitura de Campos dos Goytacazes (RJ) em 2008 e 2012.

Versão de Garotinho

À época em que o conteúdo da delação foi conhecido, o ex-governador do Rio de Janeiro se manifestou sobre o assunto no blog que mantém na internet.

Garotinho afirmou na ocasião que sempre manteve com os diretores da Odebrecht relação amistosa e que gostaria que o delator Leandro Azevedo informasse o país, o banco e número da conta em que teria depositado dinheiro no nome dele ou de Rosinha.

g1

12/04/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *