Polícia aciona Interpol sobre sumiço de jovem que deixou livros criptografados no Acre

O estudante de psicologia Bruno Borges está desaparecido desde 27 de março. Secretário-adjunto de Polícia Civil diz que Interpol foi acionada para que todas as linhas de investigação sejam cobertas.

O secretário-adjunto de Polícia Civil, Josemar Portes, confirmou ao G1, nesta segunda-feira (17), que o nome do estudante de psicologia Bruno Borges, de 24 anos, foi incluído na lista de pessoas desaparecidas da Polícia Federal no Acre (PF-AC) e que a Interpol – polícia internacional – foi acionada devido ao sumiço do jovem, desaparecido desde o dia 27 de março.

Portes afirma que o acionamento da Interpol é comum e ocorre conforme a evolução das investigações do caso. Ele afirma que não há indícios de que o jovem tenha saído do país, mas não descarta essa possibilidade para cobrir todas as linhas de investigação com as quais trabalha.

“Como a Interpol vai trabalhar e as técnicas que vai usar isso é com ela. O que sabemos é que o jovem se afastou do convívio. A possibilidade dele ter saído do país deve ser investigada, pois ele tinha dinheiro e é um rapaz muito inteligente. Não sei se é um indício, mas uma possibilidade sempre é. Isso é comum, uma outra hora a pessoa pode ser colocada no cadastro de desaparecidos da PF que aciona a Interpol”, explica.

Desaparecimento

A última vez que os parentes viram Bruno, no dia 27 de março, foi durante um almoço de família. O jovem voltou para casa e todos – mãe, pai e os outros dois irmãos – seguiram o dia normal de trabalho. Mais tarde, o pai dele, o empresário Athos Borges, retornou à residência da família e percebeu que o filho não estava.

No quarto do estudante, que ficou trancando por mais de 20 dias enquanto os pais viajavam de férias, foi encontrada – além dos 14 livros – uma estátua do filósofo Giordano Bruno (1548-1600). Os escritos, segundo a família, eram feitos há pelo menos quatro anos.

O artista plástico Jorge Rivasplata, autor da estátua, disse que acredita que Bruno seja a reencarnação do filósofo – queimado durante a inquisição – e tenha completado a obra dele. A escultura, de dois metros, foi entregue ao jovem no dia 16 de março e finalizada pelo próprio artista dentro do quarto. Pelo objeto, o artista disse que recebeu inicialmente R$ 7 mil e, em seguida, mais R$ 3 mil.

g1

18/04/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *