São Paulo vive rotina de vexames, perde dinheiro e sofre em mata-matas

São Paulo vive rotina de vexames, perde dinheiro e sofre em mata-matas

A crise política não tem mais o mesmo peso negativo recente, mas as dificuldades do São Paulo agora se concentram no gramado.

E não são poucas.

Em 22 dias, o time tricolor chegou à sua terceira eliminação em 2017 na última quinta-feira e terá de se concentrar apenas no Brasileiro até o fim do ano. A humilhação sofrida com o adeus precoce da Copa Sul-Americana diante do modesto Defensa y Justicia abala diretamente a blindagem que se esperava com o ex-goleiro Rogério Ceni no banco de reservas e atinge outras partes do clube, atesta o msn.

Entre elas, as suas contas: com a saída nas semifinais do estadual para o Corinthians (R$ 5 milhões ao campeão), na quarta fase da Copa do Brasil para o Cruzeiro (R$ 15 milhões idem) e na primeira fase da Sul-Americana (R$ 12 milhões idem), o faturamento com premiações fica comprometido.

Seria uma receita importante, considerando que existem situações pendentes relativas a nomes como Pratto, Maicon e outros em seu elenco.

Se as vendas de David Neres e Lyanco ajudaram a equilibrar o caixa, não dá para dizer o mesmo do desempenho em campo.

Foram mais de duas semanas de treino sem jogos no intervalo. Essa será uma rotina que se repetirá mais vezes com apenas uma competição no horizonte. Definitivamente, não é essa ‘folga’ que Ceni e sua comissão técnica pregavam no calendário.

Pior para o torcedor do São Paulo, que vê mais um vexame em sua história.

Em 2016, o time ficou pelo caminho nas oitavas de final da Copa do Brasil ao perder em casa por 2 a 1 para o Juventude, que se encontrava na Série C.

A equipe acumula fracassos em mata-matas: no Paulista do ano passado, ela foi goleada por 4 a 1 pelo Osasco Audax e também se despediu mais cedo, nas quartas.

Diretor do São Paulo descarta demissão de Ceni: ‘Acreditamos na continuidade’

Um roteiro semelhante ao que se viu em 2014: eliminação para o Bragantino também diante de seus torcedores, após ‘apagão’ no estádio, na Copa do Brasil, e queda para a Penapolense nos pênaltis no estadual.

Em 2013, foi a vez da Ponte Preta aprontar nas semifinais da Copa Sul-Americana e surpreender ao ganhar por 3 a 1 no Morumbi e apenas administrar a vantagem em casa. Detalhe: os campineiros foram rebaixados no mesmo ano no Brasileiro.

Para completar a lista recente, o São Paulo viu o Avaí reverter derrota de 1 a 0 no Morumbi e vencer por 3 a 1 na Ressacada para avançar nas quartas da Copa do Brasil em 2011. O pentacampeão mundial Rivaldo acompanhou a tudo do banco de reservas e brigou feio com o técnico Paulo Cesar Carpegiani naquela noite.

12/05/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *